Archive for abril \30\UTC 2008

O pálido ponto azul

abril 30, 2008
Apenas para refletirmos um pouco sobre a importância de nossos problemas e ambições pessoais, a beleza de sermos o que somos e a importância de sermos capazes de nos ver dentro do contexto onde existimos…

Carl Edward Sagan (Nova Iorque, 9 de novembro de 1934 — Seattle, 20 de dezembro de 1996) foi um cientista e astrônomo dos Estados Unidos da América. Em 1960, obteve o título de doutor pela Universidade de Chicago. Dedicou-se à pesquisa e à divulgação da astronomia, como também ao estudo da chamada exobiologia. Foi um excelente divulgador da ciência (considerado por muitos o maior divulgador da ciência que o mundo já conheceu).

Morreu aos 62 anos, de pneumonia, no Centro de Pesquisas do Câncer Fred Hutchinson, depois de uma batalha de dois anos com uma rara e grave doença na medula óssea. A Ciência perdeu um grande defensor, divulgador e incentivador dela na atualidade.

Anúncios

Applets: uma boa dica para todos

abril 29, 2008
Aqui vai uma boa dica para ganhar tempo e qualidade nas aulas: usar simulações (applets em java) para o estudo de divesos fenômenos.

Há na Internet vários sites com simuladores (applets em java) gratuitos e muito bons. O site “Applets Java de Física” é um deles e tem uma grande variedade de applets traduzidos para o português. Vale a pena conferir e utilizar.

Mas, utilizar como?

A maneira mais eficaz consiste em mostrar as simulações em um datashow montado na sala de aula ou em uma sala própria para isso. Se não dispuser desse recurso, mas tiver uma sala de informática com computadores conectados à Internet, você também pode levar para lá sua classe (e se tiver poucos computadores, divida a classe em duas turmas e deixe uma delas trabalhando com outra coisa enquanto a outra acessa os applets); nesse caso prepare previamente um roteiro com as simulações que os alunos devem fazer.

Opcionalmente, divulgue o link para seus alunos e peça a eles que façam algumas simulações como tarefa de casa (especifique quais simulações devem ser feitas e como eles devem variar os diversos parâmetros envolvidos – peça que anotem e tragam para a próxima aula os resultados observados).

O que fazer com as notas das provas da recuperação?

abril 27, 2008
O que devemos fazer com as notas das provas elaboradas pela Secretaria de Educação referentes ao período de recuperação?

É do conhecimento de todos que essas provas e seus gabaritos vazaram com, pelo menos, três dias de antecedência à sua aplicação e que muitos alunos tiveram acesso a esse gabarito, o que tira da prova qualquer característica avaliativa e a torna apenas mais uma trapalhada no meio dessa história.

Além das aulas que deixamos de dar para aplicar uma prova que já se sabia, de antemão, que havia vazado, o que mais ganhamos com isso? Para que nos servirá agora esse resultado fraudado e que não inspira nenhuma confiança?

Eu pretendo fazer com essas notas a mesma coisa que deveria ter sido feito com as provas depois de descoberta a fraude do vazamento dos gabaritos: jogar tudo no lixo. E você?

Tromabada de gente grande

abril 25, 2008


O site do telescópio Hubble divulgou esse belo quadro mostrando uma coleção de imagens de “colisões” de galáxias.

No mesmo site também é possível baixar milhares de outras imagens, desde papéis de parede e fundos de tela até imagens profissionais para impressão em alta resolução. Vale a pena conferir.

Também há centenas de animações e material para consulta. O único grande problema é que o site é todo em inglês (Oh yes!), mas as imagens falam por si mesmas e não precisam de tradução.

Vídeos do YouTube

abril 22, 2008
A professora Cida Barros comentou o post anterior (“Mecânica sim, porque não?”) e pediu algumas dicas sobre como baixar os vídeos do YouTube. Melhor do que eu dar sugestões é eu dar um link de um artigo onde já se faz isso; aliás, o que faz da Internet um universo de conhecimento novo e poderoso é justamente essa possibilidade de “linkarmos” (ligarmos) conhecimentos e os compartilharmos em rede.

Para incluir os vídeos do YouTube em páginas de sites e blogs basta copiar e colar no HTML da página o código que o próprio YouTube fornece. É assim que eu coloquei esse vídeo abaixo disponível nesse post, por exemplo.

Aliás, agora é que vem a parte “muito legal!!!” do YouTube e de outros sites de hospedagem de vídeos e imagens: nós podemos gravar e enviar vídeos para lá! O vídeo abaixo, por exemplo, foi gravado por meu garoto, Zequinha, no ano passado (ele tinha seis anos) com uma câmera digital comum. Eu acrescentei apenas a música e os textos e aproveitei a “obra” do garoto para passar uma mensagem que acho que seja importante (aumente o som para curtir a música e leia os textos do final do vídeo, bem no final da parte dos créditos).

Legal, não? Então, o que está esperando? Mãos à obra! Faça já o seu primeiro vídeo e coloque no YoutTube também.

Mecânica sim, porque não?

abril 21, 2008
Algumas vezes alguém nos pergunta porque que se deveria perder tempo aprendendo sobre Mecânica, ou seja, sobre o estudo dos movimentos. Afinal, para que serve ser capaz de entender como funciona, como se pode controlar e prever os movimentos?

Eu não vou dar nenhuma resposta para essa pergunta, mas convido aos interessados que assistam o vídeo abaixo. Ele nos mostra de forma bem curiosa como que certos conhecimentos podem ser divertidos ou, pelo menos, podem nos divertir bastante.

Agora tente fazer isso, inclusive o carro, sem saber Mecânica! 🙂

9 e 1/2 semanas de amor

abril 21, 2008
Estamos entrando na décima semana de aulas do ano, ou seja, já tivemos pelo menos 9 e 1/2 semanas de amor, muita aula, muita correria, jornais e mudanças. Na verdade, a lua de mel dessas nove e meia semanas de amor foi justamente a prova de protuguês estilo Saresp da semana passada, abordando os temas da “recuperação”. 🙂

Nessa altura do campeonato todos já estamos dimensionando melhor as mudanças propostas pela SEE e cada um está procurando seu rumo. Professores e alunos tentam, e com muita boa vontade, fazer dar certo algo que não é nada fácil diante das circunstâncias de cada um.

De minha parte tentarei suprir os meus alunos com algum material didático na forma de “super-resumos” (mais resumidos do que apostilas de cursinho semi-extensivo) e darei continuidade ao trabalho que já venho realizando com eles em anos anteriores.
Tenho plena consciência de que a programação do curso de Física é impossível de ser cumprida com um mínimo de decência em vista da carga horária da disciplina e das dificuldades de se trabalhar sem material didático e quase sem nenhum outro recurso (e olha que minha escola até que dispõe de alguns recursos!). Apresentar a Física de forma extremamente superficial e abandonar práticas pedagógicas mundialmente reconhecidas para dar conta de um currículo extenso não me parece ser boa prática pedagógica, tanto quanto não me parecia boa prática a insistência de muitos colegas em se aprofundar em alguns poucos temas e simplesmente omitir todo o resto. Como essa é uma equação sem solução, não vou me estressar tentando resolvê-la. 🙂
Professores colegas de outras escolas públicas que quiserem utilizar também esse material que estou disponibilizando para os meus alunos podem baixá-lo na Biblioteca Online do meu site. Esse material é de minha própria autoria e não há restrição de uso em escolas públicas no que diz respeito aos direitos autorais. Se os colega professor dispuser de recursos para atividades experimentais, baixe também os roteiros de atividades que colocarei lá, à disposição de quem queira usá-los. Todos os roteiros já foram testados e aplicados em anos anteriores e podem ser utilizados paralelamente à teoria (na verdade eles servem bem para “encaminhar” o tratamento da teoria).

Continuo avaliando as visitas a esse blog e as respostas às enquetes propostas do lado direito da página e, até o início do mês que vem, decidirei que destino dar a ele. Meu tempo continua cada vez mais curto e, portanto, as atualizações estão cada vez menos freqüentes. Sinto que o blog está carente de “assuntos interessantes” e não quero transformá-lo em apenas mais um muro de lamentações. Os blogs dos professores Helder e Gonçalo (veja os links do lado direito da página) estão muito bons, visite-os.

Aviso aos navegantes

abril 14, 2008

Estou tendo problemas com o provedor que hospeda o meu site (www.hosted.com.br – não faça a bobagem de contratá-lo como eu fiz) e por isso peço paciência até que eu troque de provedor ou que o provedor resolva seus problemas.

Nesse ínterim vamos ter que conviver com problemas ocasionais, como a demora para carregar páginas do site.

Também estou sobrecarregado de trabalho e com pouco tempo para o blog. Fico devendo algumas atualizações aqui. Vou começar a colocar alguns links na coluna da direita assim que tiver tempo para selecionar entre os milhares que tenho guardado.

Além disso tudo, com a proibição da SEE de que seja reproduzido digitalmente o conteúdo do caderno do professor (e das partes dele), me vejo na impossibilidade de disponibilizar alguns roteiros “adaptados” para os colegas e alunos. Vou usar meu próprio material, como sempre fiz, e disponibilizar o que for possível na Biblioteca Online do meu site.

Se você conseguir, tente ter uma boa semana e evite se estressar.

Terceiro ano – situação de aprendizagem 3

abril 7, 2008

Se você não for professor, pode pular esse texto.

Alguém aí tem 3 lâmpadas de 3 V, 2 pilhas de 1,5 V, fios tipo “cabinho” (sic), 2 jacarés (opcional) (?) e 3 soquetes de lâmpadas pequenas?

Não tem? Como não? Tem que ter! E tem que ter isso vezes 6, no mínimo, para poder fazer essa atividade com a classe toda. Moleza né?

Eu não tenho esses troços, mas tenho um material bem melhor que juntei ao longo dos três últimos anos como parte de um projeto para o reaparelhamento do Laboratório de Física da minha escola. Por isso vou fazer a atividade proposta no maior sossego. Não exatamente como está proposta, porque já tenho outras que faço com roteiros prontos e adaptados ao meu material, e porque nem posso reproduzir esse material do Caderno do Professor (lembre-se de que a Secretaria da Educação nos proibiu de reproduzir esse material na Internet).

Então aqui vai uma sugestão caso você seja um professor de física sem laboratório e sua escola não tenha recursos para que você adquira esses componentes:
1 – ao invés de lâmpada use leds, são muito mais baratos, interessantes e, acredite, também acendem!
2 – peça para os alunos trazerem as pilhas (caso não queira gastar parte do seu poderoso bônus comprando 12 pilhas de 1,5 V).
3 – cuidado para não queimar os leds. Claro, é melhor aprender um pouco sobre leds antes de fazer a atividade.

Também é bom se lembrar de que toda atividade experimental deve antes ser feita pelo professor para “evitar surpresas de última hora” e que para cada hora de aula experimental são necessárias no mínimo quatro horas de elaboração da atividade, do roteiro e da aula propriamente dita. 🙂

Segundo ano – situação de aprendizagem 4

abril 7, 2008

Infelizmente a Secretaria de Educação me proibiu de escanear e publicar na Internet o roteiro da atividade 4: Construindo um termômetro. Até que é uma boa proposta para se deixar como tarefa de casa para grupos de três alunos (mas impraticável para ser feita em UMA aula).

Em substituição, pretendo levar os alunos para o laboratório para estudar o aquecimento/resfriamento de um corpo usando um termômetro de verdade. Vou disponibilizar o roteiro da atividade no meu site ao longo dessa semana e pretendo fazer a atividade na semana que vem.

Além da manipulação do termômetro e da coleta de dados os alunos também construirão uma curva de aquecimento para o experimento e, enfim, aprenderão uma porção de coisas (veja a atividade quando estiver disponível no site – lembrando sempre que todo o material que utilizo, exceto esse Caderno do Professor que não posso dsitribuir, fica disponível na Biblioteca Online na pasta dos Alunos e sa subpasta de materiais didáticos específicos).